27 de ago de 2011

BOM TRABALHO COM CRIANÇAS EXIGE BOA TEOLOGIA


Jesus Cristo teve, certa ocasião, uma contenda com os Seus discípulos, porque estes impediam que as crianças se aproximassem dEle. O Senhor chegou a ficar indignado e dirigiu-lhes então a seguinte palavra: “Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus. Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele” (Marcos 10:14,15).
            Embora se possa provar, sem sombra de dúvidas, que 85% dos atuais cristãos receberam a Cristo quando ainda eram crianças, antes dos 15 anos de idade; contra 10% que o fizeram dos 15 aos 30 anos; e 5% que só tomaram esta decisão após os 30 anos; mesmo assim se coloca muito tropeço impedindo as crianças de virem a Cristo.
            Lamentavelmente, não há visão e nem interesse em compartilhar o Evangelho com as crianças. A grande maioria dos trabalhos com as crianças se resumem em contar historinhas, cantar musiquinhas, fazer oraçõezinhas, preparar programinhas, sem nenhuma preocupação em mostrar a realidade do pecado e como uma criança pode receber a Cristo como seu Salvador Pessoal.
Este quadro precisa mudar u r g e n t e m e n t e !
            O Problema é Teológico
            O problema, na verdade, é teológico. Há uma teologia deficiente quando se trata das crianças. Não existem duas teologias, uma para adultos e outra para crianças. Há, isto sim, uma linguagem mais apropriada para o adulto e outra mais apropriada para a criança, mas não se pode esconder da criança a verdade do Evangelho.
            É preciso levar a criança a se reconciliar com Deus, reconhecendo que é pecadora, buscando o perdão e confiando no sacrifício de Cristo realizado na cruz do Calvário, pois “o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1 João 1:7).
            E uma vez que a criança recebe a Cristo como seu Salvador Pessoal, apropriando-se, assim, da salvação, ela precisa também conhecer:
·         Que a salvação é eterna (segurança) – João 10:28,29; 1 João 5:11,12.
            Sim, a contenda foi eliminada completamente na cruz. “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1).
            A Doutrina da Queda do Homem
Uma das principais doutrinas na Bíblia, e que precisa ser bem compreendida, refere-se à queda do homem. Ao pecar, o homem rebelou-se contra Deus. Tornou-se inimigo.
            Lemos em Gênesis 1:26,27,31 - “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança: tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra. Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom.”
            Já no final de Gênesis 3, no último versículo, vemos o homem expulso do jardim do Éden e sem possibilidade de retorno, levando consigo e para todos os seus descendentes as conseqüências de sua queda: dores, sofrimentos, trabalho duro para obter o sustento, doenças e a morte.
            Os filhos de Adão e Eva nasceram após a queda e receberam esta herança pecaminosa, “porquanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.
            Este texto tão claro, de Romanos 5:12, comparado com Salmo 51:5 - “Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe”, mostra-nos que cada criança já nasce num estado de pecado que a coloca em inimizade com o Deus Eterno, que é Santo e não tolera o pecado.
            Isaías, no capítulo 59, mostra de maneira magistral esta contenda que há entre os homens e o Criador, por causa das iniqüidades que fazem separação entre Deus e os homens e que provocam males terríveis para toda a sociedade.
            O problema todo se resume numa só palavra – p e c a d o!
            Pecado é uma palavra derivada de uma raiz que significa “errar o alvo”, “fracassar”. Trata-se, na verdade, do fracasso em não atingir um padrão conhecido, vindo a desviar-se do mesmo. Pecado é afastamento daquilo que Deus considera e estabelece como a conduta ideal. O pecado acaba se tornando uma oposição a Deus, uma verdadeira rebelião. O pecado é a transgressão da lei e do padrão de Deus.
O trabalho com crianças que não reconhecer esta problemática do pecado, mesmo no coração de um pequenino, terá pouca chance de ser frutífero. Se desejamos preparar uma nova geração, temos que enfrentar o problema principal de frente, sem rodeios, sem sentimentalismo, sem fugir do diagnóstico, ainda que seja duro: “Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do coração” (Gênesis 6:5).
            O Senhor Jesus foi também categórico ao afirmar: “Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem” (Marcos 7:21-23).
            Há um só meio de tirar o Pecado      
            Só há uma maneira de apagar o pecado – através do sangue do Cordeiro Justo e Imaculado, do Filho de Deus, sem pecado, perfeito – o Senhor Jesus Cristo!
            Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus. Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:18-21).
            Se, de um lado temos o fato da queda  do homem, o que acarreta a deterioração e a decadência de toda a sociedade, temos, em contrapartida, o fato estupendo de que o próprio Senhor procura a reconciliação, através do sacrifício de Seu Filho, realizado de uma vez por todas, na cruz central do Calvário.
            Preparar crianças para o futuro é conduzir estas crianças ao novo nascimento, contando-lhes a preciosa mensagem do Evangelho.
            Que todas as crianças conheçam:
1)  Que Deus as ama com tão imenso amor –  João 3:16.
2)  Que têm um problema (doença, necessidade) – Romanos  3:23; 6:23.
3)  Que só há uma solução (remédio, provisão) – Atos 4:12; 1 Coríntios 15:3,4; 1 Timóteo 2:5.
4)  Que precisam apropriar-se de Cristo (recebê-lO) – João 1:12,13
Trabalhe com boa Teologia
A literatura da APEC equilibra criatividade com conteúdo. Solicite a lista dos produtos e/ou mais informações com o departamento de vendas: (vendas.apec@apec.com.br). Planeje o currículo para o ministério com as crianças usando o material da APEC. Você pode também acessar a loja virtual da APEC: www.apec.net.br
Gilberto Celeti


Nenhum comentário :

Postagens recentes